Arquivo da categoria: Posicionamentos

Nota Pública em repúdio ao Sistema de Precarização dos Entregadores

As taxas de desemprego e instabilidade que atingem muitos, dentre eles jovens entre 18 a 29 anos, principalmente de periferias que tem buscado nos aplicativos de entregas uma alternativa pelas dificuldades de inserção no mercado de trabalho, como mostra a reportagem da BBC (citada nas fontes do final da nota).

Jovens, na sua grande maioria homens e da periferia são considerados estatisticamente aqueles com os maiores índices de vulnerabilidade no Brasil, tanto no trânsito quanto atualmente no mercado de trabalho. Além das estatísticas de mortes por arma de fogo, o trânsito também gera altos índices de mortalidade, muitas vezes acima das armas de fogo em alguns estados do Brasil, tais como: Tocantins, Piauí, São Paulo e Santa Catarina, e até como um quase empate em outros cinco estados, Rondônia, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, em decorrência do abuso principalmente da velocidade, álcool e de uso de celular no trânsito. (Dados OMS). 

Nesse contexto, no último 06 de julho, o entregador da empresa Rappi, Thiago Dias de Jesus, de 33 anos, foi vítima de um AVC enquanto, realizava entregas na cidade de São Paulo, por falta de suporte e de um tratamento desumano do próprio aplicativo ao qual trabalhava, aliado a falta de socorro da SAMU, o entregador veio a falecer 48h após a ocorrência, agravado o caso diante da demora no seu deslocamento até chegar ao hospital. Segundo a OAB-SP, a morte de Thiago é “fruto do desmonte de políticas públicas somada, concomitantemente, à ampla fragilização das relações de trabalho no Brasil”.

O sistema de entregas dos aplicativos exige dos associados longas jornadas de trabalho (varia entre 12h à 13h, nos finais de semana emenda-se com outros turnos de trabalhos paralelos), aliadas a uma baixa remuneração e ausência de qualquer suporte em relação
à saúde ou segurança, o que expõe ainda mais essa categoria de pessoas, que buscam uma oportunidade de entrar ou se reinserir no mercado de trabalho.

Em resposta ao ocorrido, o aplicativo Rappi divulgou a intenção de criar um botão de emergência para seus entregadores, o que é visto pela família do Thiago como uma medida tardia e irrelevante diante da morte do seu familiar, pois “o que ele deixou de fazer a Rappi pode substituir por outro, mas nós da família não temos esse poder de contratar um novo irmão”.

Nos solidarizamos ao caso, mesmo sendo Thiago Dias de Jesus um motociclista, mas antes de tudo, ele era uma pessoa que merecia melhores condições de trabalho para desenvolver suas atividades, uma pessoa com sonhos e desejos que desejava uma vida melhor para si e sua família. 

Importante, enquanto sociedade civil pontuarmos e manifestarmos a estas empresas que estamos atentos, indignados e cobraremos das mesmas, condições mais dignas de trabalho aos seus colaboradores, muitos dentre eles, pessoas que utilizam a bicicleta. Para estas pessoas a precarização do sistema de entregas consegue ser mais penosa, pois exige percursos mais exaustivos, de até 80 km diários realizados pelos ciclistas.

Por melhores condições de trabalho, nenhuma morte será esquecida!

#PorCondicoesDignasTrabalho
#NenhumaMorteSeraEsquecida

 

fontes: 

<https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48304340>

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/07/oab-classifica-morte-de-entregador-do-rappi-de-desmonte-das-relacoes-de-trabalho.shtml

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-12/transito-mata-mais-de-13-milhao-de-pessoas-todos-os-anos-diz-oms

https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/08/17/desemprego-entre-os-jovens-e-superior-ao-dobro-da-taxa-geral-aponta-ibge.ghtml

https://canaltech.com.br/apps/apos-morte-de-entregador-rappi-deve-implementar-botao-de-emergencia-no-app-143939/

Share Button

A bicicleta está presente em todos os ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável!

A UCB – União de Ciclistas do Brasil é uma organização da sociedade civil que congrega Associações de Ciclistas, ciclistas e outras entidades e pessoas interessadas em promover o uso da bicicleta como meio de transporte, lazer e esporte,  nas regiões urbanas e rurais, assim como a mobilidade urbana sustentável. Continue lendo

Share Button

Propostas para a reforma do CTB

camara-05-12-17No dia 05/12/2017, representantes do GT Políticas Públicas da UCB estiveram na Câmara dos Deputados em Brasília para entregar as propostas de alteração da revisão do CTB para o assessor do relator Deputado Sérgio Brito (PSD- BA). Continue lendo

Share Button

Nota Pública: Porque é injusto multar pedestres e ciclistas

reoc2As organizações abaixo assinadas vêm se posicionar absolutamente contrárias à Resolução 706/2017 do Contran, que padroniza a aplicação de autos de infrações a pedestres e ciclistas que cometerem infrações previstas nos já incorretos e criticados artigos 254 e 255 do Código de Trânsito Brasileiro. Continue lendo

Share Button

Nota pública da UCB em favor da democracia: de bicicleta, por nenhum direito a menos

 A UCB – União de Ciclistas do Brasil é uma organização da sociedade civil fundada em 2007 com o objetivo de representar seu corpo de associados individuais e coletivos perante atores sociais diversos, do setor privado e público, especialmente os de nível federal, e lutar pela efetivação do direito social que todas nós temos ao transporte, conforme previsto na Constituição Federal. Assim sendo, trabalhamos pela efetivação do nosso direito de ir e vir de bicicleta com segurança, conforto, equidade e praticidade em todos os municípios do País.

Apesar de termos nossa agenda voltada aos inúmeros aspectos concernentes à bicicleta, nós, associadas e associados da UCB, estamos atentos aos acontecimentos políticos no País e que, em grande escala, provocam retrocesso em questões do direito à cidade, da transparência,  dos direitos humanos e dos direitos sociais e políticos de forma geral. Neste momento, não é tarde, concluímos por manifestar nossa opinião em relação ao contexto político em nível nacional e de suas possíveis implicações ao que nos move, à nossa agenda, à nossa missão enquanto instituição.

A UCB jamais se manifestou e tampouco manifestará em defesa de partidos políticos ou de governantes em relação aos fatos envoltos na recente sucessão presidencial do Brasil. A UCB, baseada nos princípios de defesa da democracia, dos direitos humanos, da legalidade e moralidade que a regem, se manifesta em nome de um grupo diverso e fundada em preceitos éticos.

A ética que nos move é aquela do respeito à próxima e ao próximo. Nesse sentido, não pode ser tolerada nenhuma inversão no direito de livre expressão e livre escolha de representantes no governo e no direito à informação e à participação política.

Atentos ao debate sobre todo o processo de formação do atual Governo Federal, manifestamos nossa preocupação com a sua legitimidade, dada a falta de consenso no meio político e jurídico sobre do mesmo. Mais preocupante ainda são as reformas políticas propostas e, algumas, aprovadas pelo atual governo em temas como educação, cultura, fiscalização, comunicação, macroeconomia, segurança pública, trabalho e política interna e externa, as quais representam retrocessos nas ainda frágeis garantias constitucionais, nos direitos humanos e dos trabalhadores.

Também não podemos deixar de mencionar nossa preocupação com as manifestações de cidadãos que atentam contra a liberdade de expressão, de manifestação e de pensamento, a igualdade étnica e de gênero, o direito de defesa, a preservação ambiental, o direito à cidade, a laicidade e outros valores construídos ao longo da história mundial e brasileira.

Somos radicalmente contra qualquer tipo de repressão, seja ela física ou moral, nas ruas ou no mundo virtual, e almejamos o desenvolvimento com inclusão social e sustentabilidade ambiental. Apoiamos o direito de manifestação e repudiamos, veementemente, a violência policial contra os manifestantes, a exemplo do que tem acontecido em diversas cidades do País. Defendemos que sejam mantidas as investigações sobre irregularidades praticadas pelos governos anteriores e atual e que seja cumprida a extirpação da corrupção, motivo pelo qual, alegadamente, se operou a sucessão presidencial, não obstante as dúvidas que pairam sobre a real existência de crime de desrespeito à Constituição Federal.

Esperamos e continuaremos a lutar por mais avanços e menos retrocessos, no sentido de uma política mais aberta em torno dos interesses coletivos e do bem comum.

Não se pode ir e vir de bicicleta com segurança e praticidade no País se não houver a garantia de outras condições basilares de desenvolvimento e igualdade social, manutenção efetiva da democracia participativa e respeito às eleitoras e aos eleitores do País.

Com desejo de um presente melhor para o país, #DiretasJá!

 

Brasil, 0

 

Share Button

Nota pública – Lançamento da Cartilha do Ciclista demonstra o quão distante está o discurso e a prática do governo federal sobre a mobilidade urbana por bicicletas

Capturada - 262 Oct. 10 07.36No lançamento da Cartilha do Ciclista, elaborada pelo DENATRAN e pela Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, o Ministro das Cidades e diversos deputados federais do PSD, partido do ministro, ocuparam a mesa. Além deles, marcaram presença representantes da ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (isso mesmo!), da NTU (Associação das Empresas de Transportes Urbanos), do banco Itaú e do Fórum Ciclomobilidade. Continue lendo

Share Button