Release para a imprensa: “As cidades de pequeno porte que mantém viva a cultura da bicicleta no Brasil”

Livro retrata a vida nas 11 cidades onde mais se pedala no Brasil, os motivos que as fazem ter tantos adeptos da bicicleta, hábitos e perfis de ciclistas

O BRASIL QUE PEDALA
A cultura da bicicleta nas cidades pequenas

Organizadores: André Soares e Daniel Guth
ISBN: 9788556621634
Idioma: Português
Encadernação: Brochura
Formato: 15,5 x 23 x 1,6 cm
Páginas: 256
Edição: 1ª
Editora: Jaguatirica
Lançamento: Janeiro 2019
Preço: R$ 45,00

 

 

Um retrato sobre as cidades pequenas do país onde a cultura e o uso da bicicleta ainda se mantêm forte e resiliente é o mosaico de narrativas que compõem O Brasil que pedala. Com interesse em descobrir as motivações e curiosidades do cotidiano dos ciclistas dessas cidades, uma equipe de pesquisadores e autores vinculados a organizações civis que promovem a ciclomobilidade se debruçou sobre 11 cidades brasileiras de pequeno porte – com até 100 mil habitantes – para realizar entrevistas, contagens veiculares, pesquisa de perfil e caracterização de ciclistas, entre outros levantamentos para compor um mapeamento da mobilidade ativa nesses municípios.

Organizado por André Soares, da União de Ciclistas do Brasil, e Daniel Guth, da Aliança Bike, com prefácio de Clarisse Linke, do ITDP Brasil e apoio do Itaú Unibanco, o livro é a segunda produção da Parceria Editorial A Bicicleta no Brasil, composta pelas organizações Aliança Bike, Bicicleta para Todos, União de Ciclistas do Brasil e Bike Anjo. A parceria se formou para a produção de A Bicicleta no Brasil 2015, publicação que abordou a situação da mobilidade por bicicletas em dez capitais brasileiras.

 

Diversidade e perfil de ciclistas

Há diversos pontos curiosos apresentados em cada eixo do livro, que começa com um cordel dedicado especialmente para a publicação. J. Ribamar dos Santos, o autor, que também é ciclista, vive em Gurupi (TO), uma das cidades retratadas.

Um número expressivo de mulheres e crianças pedalam nestas cidades: em Ilha Solteira (SP), por exemplo, a presença feminina representa mais de 40% do total de ciclistas; já em Pomerode (SC) realiza-se anualmente a Copa Hans Fischer de ciclismo para homenagear seu grande herói esportivo, atleta que representou o país em duas edições dos Jogos Olímpicos.

Os resultados da pesquisa de perfil a partir das 2.208 entrevistas realizadas nas 11 cidades revelam o caráter inclusivo e humanitário da bicicleta. Praticamente dois terços dos ciclistas, nesta amostra de cidades pequenas, recebem entre zero e dois salários mínimos mensais. Em Mambaí (GO), 40% declaram não ter renda alguma.

Pardos e negros somam 64,6% dos ciclistas nessas cidades; brancos são 31,67%. Comparando com o Censo 2010, há nesses municípios três vezes mais autodeclarantes como negros entre os ciclistas do que em relação a toda a população. Tamandaré (PE), por exemplo, tem 20% de ciclistas autodeclarados negros, enquanto na cidade o índice corresponde a 5,13%.

Retratar a cultura da bicicleta em todos os biomas brasileiros e mostrar que ela se adapta a qualquer tipo de terreno e condições sociais também foi um desafio contemplado em O Brasil que pedala. Cidades como Tarauacá (AC) no meio da Floresta Amazônica com 73% de viagens feitas apenas de bicicleta, Tamandaré (PE), no litoral, e Cáceres (MT), no Pantanal matogrossense, estão mapeadas. Mambaí (GO), Antonina (PR), Pedro Leopoldo (MG) e São Fidélis (RJ) completam as 11 cidades pesquisadas.

As curtas e plenamente acessíveis distâncias são um ponto em comum entre as cidades. Para 63,6% dos entrevistados as viagens não superam 20 minutos de pedalada. Em Afuá (PA), 84% das viagens não superam 14 minutos e, em Tamandaré (PE), 51% não superam 15 minutos de pedalada.

A pesquisa de perfil, que entrevistou 2.208 ciclistas, revela que mais de um terço (34,3%) deles começou a pedalar porque a bicicleta “é mais rápida e prática”. Para 27,3%, o motivo principal é a economia deste meio de transporte. Para outros 22% dos ciclistas, o principal motivo é a saúde.

 

Sobre as águas

Afuá (PA) é a cidade que mais chama a atenção. Localizado na Ilha de Marajó, o município proíbe a circulação de automóveis, motos ou qualquer outro tipo de motor que faça andar sobre a terra. Trata-se de um lugar onde irmãos de 8 anos de idade levam irmãos menores na garupa da bicicleta e onde sinais e códigos de trânsito são negociados entre as pessoas. Afuá experimenta, na prática, tudo o que se estuda sobre os benefícios da bicicleta para as cidades.

 

Efeitos da motorização

Os números revelados nas pesquisas, no entanto, dão um gosto amargo no relato do cotidiano dessas cidades. Fica claro o efeito pernicioso de políticas públicas, que há décadas estimulam o aumento da presença de motores sobre duas ou quatro rodas nas ruas desses municípios –  seja por meio de desoneração, linhas de crédito, subsídios aos combustíveis e obras viárias. O Brasil que pedala chama a atenção para o aumento de motocicletas e motonetas: do total de emplacamentos destes veículos feitos entre 2001 e 2014, mais de 70% deles foram em municípios de pequeno porte. As regiões Norte e Nordeste viram a frota de motocicletas crescer 641% e 639%, respectivamente nesse período.

O livro é um alerta, mas também uma homenagem à cultura da bicicleta, que segue resiliente país afora.

 

Sobre os organizadores

André Soares é graduado em Filosofia, especialista em Educação Ambiental e mestre em Sociologia Política. Educador social, educador ambiental e consultor em mobilidade ciclística, é diretor-presidente da União de Ciclistas do Brasil (UCB), membro da Associação de Ciclismo de Balneário Camboriú e Camboriú (ACBC) e membro da Associação Mobilidade por Bicicleta e Modos Sustentáveis (Amobici). É organizador, com Daniel Guth, do livro A bicicleta no Brasil (2015).

Daniel Guth é consultor de políticas de mobilidade urbana, comunicador e mestrando em Urbanismo pelo Prourb/UFRJ. Ciclista urbano desde 2006, foi coordenador de implantação das ciclofaixas de lazer de São Paulo (2009), viabilizou e organizou o mapa de ciclorrotas de São Paulo (Cebrap, 2010) e Salvador (2017). Idealizador do programa Escolas de Bicicleta (2012), coordenou a primeira pesquisa de perfil de ciclistas de São Paulo (2015) e foi organizador do estudo Economia da Bicicleta no Brasil (2018). Atualmente é coordenador de projetos da Aliança Bike e diretor da Associação Bicicleta para Todos. É coautor do livro Desistir nunca foi uma opção (2013).

 

Sobre o apoiador

O Itaú Unibanco, maior banco privado do Brasil e um dos maiores do mundo, está comprometido com o desenvolvimento das comunidades em que atua para gerar valor compartilhado. Por isso, atua em parceria com a sociedade e o poder público para promover mudanças que contribuam efetivamente para a qualidade de vida das pessoas. Por ser um banco essencialmente urbano, se preocupa com os temas que afligem as cidades e entende que a estratégia de sustentabilidade deveria contemplar também o tema “cidades sustentáveis”. O incentivo à mobilidade urbana é uma das causas do Itaú, ao lado de Educação, Cultura e Esporte, e dialoga com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Atualmente mantém cerca de 8,3 mil bicicletas em sistemas de bike sharing, somando mais de 20 milhões de viagens e contribuindo para a melhoria dos deslocamentos em Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Salvador (BA), além de cidades em Pernambuco (PE), como Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, e também em Santiago, no Chile.

 

COMUNICAÇÃO & CONTEÚDO

Adriana Marmo | SP
comunicacao@aliancabike.org.br
(11) 97114-0140

Michelle Strzoda | RJ
michelleastrzoda@gmail.com
(21) 98131-7919

 

.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *